Mazeweg | HOMEM-ÁRVORE-HOMEM
16060
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16060,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-17.0,qode-theme-bridge,transparent_content,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.5,vc_responsive

De: Bruno Esteves e Ricardo B. Marques
Design Gráfico: T.T
Produção Executiva: Bruno Esteves
Produção: Mazeweg
Sé Catedral Idanha-a-Nova

Sinopse:

Dois homens conversam sobre circunstâncias da vida que limitam ou abrem perspectivas. Primeiro é uma imagem, depois, os problemas que ela pode introduzir por determinados pontos de vista. Um homem que caminha dentro de uma história e se vai transformando em árvore. Um destes homens não sabe cantar. Um destes homens não sabe… O texto e a leitura, o teatro, a pressão do sentido, a variação, a variedade, as coisas e tudo aquilo que, eventualmente e inevitavelmente, provoca o desalento. A ineficácia, e o problema de ter ideias: quem tem ideias, já se sabe. Porque, ao fim e ao cabo, toda a ideia é uma ideia demente.
O Reino está cheio de deusas, de projectos e magnânimes teorias mas, como para o anarca, as coisas pouco se alteram; para ele, as bandeiras têm um significado, mas nenhum sentido. Eles não se detêm daquilo que sabem ser possível, porque isso seria um acto contra a natureza. Como naquele poema: “Tão imóveis como um navio pintado / Em cima de um oceano pintado”, à espera que o quadro caia da parede.