Mazeweg | Justificação
16099
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-16099,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-17.0,qode-theme-bridge,transparent_content,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.5,vc_responsive

Autoria: Ricardo B.Marques
Interpretação e co-criação: Ricardo B. Marques e Silvana Ivaldi
Produção: Mazeweg
Apoio: Incubadora d’Artes e Teatro Sá da Bandeira
Teatro Sá da Bandeira, Santarém – Portugal

 

O gesto, o corpo e as linguagens dissolvem-se no tempo, mas o que produzem resiste, transforma-se e adquire diferentes símbolos.
Neste espectáculo existe um conflito gerado por uma imagem que convoca aqueles que a construíram a discutir sobre ela. Se na arte existem obras que são catedrais, pode, ou quer, um espectáculo de teatro fazer-se monumento? Do ponto de vista da representação, um monumento, atravessa todos os níveis das civilizações, está em lugar da história, mas deixa ao narrador o papel de a elaborar e posicionar no mundo. Justificação é um trabalho que pretende explorar o absurdo da acção, isto é, da ineficácia das ideias. Depois do primeiro momento em que apresenta a imagem idílica iremos, então, conversar sobre o assunto. E quando se conversa sobre o assunto, já se sabe, não resta pedra sobre pedra.